Escreve para nós. E-mail: omelhordosportugueses@gmaill.com

Tem voo marcado na Ryanair em Agosto? Então pode vir a ficar “a pé”! Saiba Mais…

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) anunciou esta quarta-feira uma greve na companhia Ryanair. Sindicato do Pessoal de Voo agendou uma paralisação de cinco dias em agosto. As datas…

 

… serão anunciadas mais tarde.

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) anunciou esta quarta-feira uma greve na companhia Ryanair de, pelo menos, cinco dias em agosto.

A direção do SNPVAC refere, em comunicado, que se encontra ainda a estudar a data para realização da greve, “tendo em conta a comunidade emigrante e a diáspora portuguesa, para que estas não sejam demasiadamente penalizadas”.

Os tripulantes da Ryanair decidiram partir para a greve porque acusam a companhia de “nunca ter cumprido o protocolo celebrado com o Sindicato no passado dia 28 de novembro de 2018 e onde ficou estabelecida a obrigatoriedade do cumprimento integral da legislação laboral portuguesa até ao dia 1 de fevereiro de 2019, algo que, até ao presente não foi concretizado”.

O pessoal de voo reivindica pagamento de subsídio de Férias e de Natal, a passagem a efetivos de todos os tripulantes de cabine com mais de dois anos de serviço através de empresas de trabalho temporário em igualdade de condições, a atribuição dos 22 dias de férias mínimos obrigatórios por ano e o cumprimento integral da lei da parentalidade portuguesa.

Os trabalhadores não aceitam que “a lei portuguesa continue a ser totalmente desrespeitada”, mesmo depois de o Parlamento ter aprovado uma resolução que recomenda ao Governo que desenvolva diligências junto da Ryanair e respetivas agências de recrutamento.

“Face à intransigência da empresa, à falta de interesse e à total passividade do Governo português em garantir direitos fundamentais aos cidadãos portugueses que trabalham na Ryanair, os tripulantes de cabine da Ryanair viram-se obrigados a votar o regresso ao conflito laboral para que os seus direitos sejam respeitados e integralmente cumpridos pela companhia irlandesa”, refere o sindicato.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *